sexta-feira, 14 de outubro de 2011

O Senhor "Nico" - Perfil de Nicolau Breyner

Aos setenta e um anos de vida e cinquenta e um de carreira, Nicolau Breyner mantém um sorriso calmo e o bom-humor que escondem os anos expostos pelos seus cabelos brancos e os traços marcados dos seus olhos, que já viram e viveram tanto, num longo e rico percurso como actor, realizador e produtor. No teatro, no cinema e na televisão brilhou e conquistou o público e a vida. Questionado se mudaria algo na sua vida afirma “Muito pouca coisa”.  
Por Catarina Rodrigues, Redação 1


Marcado pelos montes alentejanos onde nasceu e viveu a sua infância, rumou para Lisboa onde estudou Canto, sonhando ser cantor de ópera.  A sua formação continuou com o curso de Direito que nunca terminou. Em simultâneo estudou no Conservatório, que o impulsionou para a sua primeira experiência em palco na peça “Leonor Teles”, essencial para o salto que o tornou cabeça de cartaz nos teatros de revista do Parque Mayer. ”O teatro é a minha génese” afirma, no entanto o Cinema é o que mais gosta de fazer.
Multifacetado e com grande talento, participou em teatros radiofónicos e vários filmes até chegar ao mundo da televisão nos anos 70, que lhe deu grande popularidade, com programas como Nicolau no País das Maravilhas (com a célebre peça “O Senhor Feliz e o Senhor Contente”) e “Eu show Nico”. Participou na primeira novela portuguesa “Vila Faia” como actor, co-autor e director de actores. Continuou até hoje a participar em telenovelas e séries televisivas de grande sucesso, inclusive a novela “Meu amor”, galardoada com um Emmy.
Tem mais de quarenta participações cinematográficas, vencendo três Globos de Ouro relativos a “Melhor Actor” nos filmes “ Os Imortais (2003), “Kiss Me (2004), “O Milagre Segundo Salomé “(2004)
Em 1990 criou a produtora NBP, que lidera a produção televisiva e ficcional portuguesa e da qual se desfez em 2009. "Quando a NBP deixou de ser minha, percebi muito claramente que Deus estava a mandar-me fazer o que nasci para fazer: teatro”afirma na sua biografia, cujo título sugere bastante as linhas principais que caracterizam Nicolau Breyner: “É melhor ser alegre que ser triste”.
 Nada o deteve de continuar pois a sua “carreira enquanto artista não estava ainda terminada” e “tinha ainda muitas coisas para fazer como actor”. Nem mesmo o cancro da próstata que descobriu em 2009 o parou. Assegura ”deu-me uma grande vontade de fazer mais coisas.” E como em tudo, para o actor, foi mais uma lição de vida: “houve coisas que eu mudei, houve outras que comecei a relativizar”.
Afirma ter cometido muitos erros de que não se orgulha mas com os quais aprendeu. Pede desculpa aos que magoou pelo caminho. No fim das contas, afirma que a sua vida  “Valeu a pena”
A experiência de vida e profissional interligam-se e confundem-se e conferem-lhe estatuto mais que merecido para aconselhar. Quanto à televisão avisa: “Acho que a televisão foi a caixa que mudou o mundo, agora cuidado não o mude para pior”.

Sem comentários:

Enviar um comentário