domingo, 15 de abril de 2012

Pato Corado com Arroz de Miúdos confeccionado pelo Cozinheiro Fernando Rodrigues


Primeiro tempera-se o pato.
Lava-se um pato com aproximadamente 2,3 kg, separa-se o pescoço e os miúdos (fígado, coração e moelas) e reserva-se. Tempera-se o pato com sal (20g) e pimenta (10g) ou a gosto, 2 alhos cortados ás fatias, 2 folha de louro, 1,5 dl de vinho branco, o sumo de ½ limão e o sumo de 1 laranja. Deixa-se a marinar no tempero pelo menos 6 horas (o ideal são 24 horas).


                                   

Levar o pato ao forno.
Ingredientes:
60 g de margarina vegetal
1/3 do liquido da marinada
Ata-se as patas e asas do pato com um fio unta-se o pato e um tabuleiro de ir ao forno com a margarina, acrescenta-se o líquido da marinada e leva-se ao forno previamente aquecido a 200ºC. Deixa-se assar durante 40 minutos, virando de vez em quando e vai-se regando frequentemente o pato com um o sumo de uma laranja e o molho que se vai formando no tabuleiro. Coloca-se finalmente o pato com o peito virado para cima e deixa-se alourar 30 minutos.


Preparar um caldo com os miúdos do pato.
Ingredientes:
Miúdos do pato e pescoço
½  cebola pequena
1 dente de alho
1 folha de louro
10g de Sal
Leva-se um tacho com 1,5 L de água a ferver com os miúdos, 1/2 cebola, 1 dente de alho, 1 folha de louro e sal. Durante 30 minutos.


Confeccionar o molho.
Ingredientes:
50g açúcar
0,5dl de vinagre
1dl de caldo de pato
Sumo de 1 laranja
Sumo de ½ limão
Leva-se o açúcar a ferver com o vinagre, até se formar um caramelo claro. Junta-se o caldo, o sumo de limão e o sumo da laranja, deixa-se em lume brando e vai-se mexendo o molho até se apresentar com uma cor dourada e ligeiramente espesso. Reserva-se o molho.





Preparar o arroz de miúdos de pato.
Ingredientes:
200g de arroz agulha extra longo
4 dl de caldo do pato
½ cebola picada finamente
2 tomates maduros sem pele nem grainhas
0,2 dl azeite
Sal e pimenta
½  farinheira
2 nozes descascadas
Pica-se a cebola e refoga-se no azeite, até a cebola apresentar uma cor transparente, juntam-se os tomates picados, acrescenta-se os miúdos do pato picado grosseiramente e o arroz, deixa-se alourar um pouco no refogado e acrescenta-se o caldo do pato. Deixa-se cozinhar em lume brando durante 12 minutos. Rectifica-se o tempero com o sal e a pimenta.
Retira-se o arroz do lume. Enforma-se o arroz com uma chávena de café expresso ou uma forma pequena (60g de arroz cozinhado). A chávena deve ser untada com caldo do pato. Desenforma-se o arroz em pequenos bolinhos de arroz. Decora-se cada bolinho com ¼ de noz e uma fatia de farinheira, dispõem-se os bolinhos de arroz numa travessa e leva-se ao forno já desligado para tostar um pouco.
Retira-se o pato do forno, trincha-se o pato (em 8 bocados), com uma tesoura de trinchar.



Os últimos pormenores.



E por fim o empratamento.
2 pedaços de pato,
2 bolinhos de arroz,
e a salada composta por:
agrião, 3 rodelas finas de cebola e cenoura ralada.

Com a ajuda de uma colher de chá, derrama-se sobre as peças de pato e do arroz uma pequena quantidade de molho, para lhes realçar o gosto e o aspecto.
Faz-se uma Rosinha de Laranja com um triângulo e duas tiras do vidrado da laranja e um Palito.

Enrolam-se as 2 tiras, uma na outra, segura-se na base e abre-se a extremidade superior, fixa-se as duas tiras uma na outra e espeta-se numa peça do pato, termina-se com o pequeno triângulo, espetado na ponta exterior do palito, para disfarçar a ponta do palito e dar o aspecto desejado ao conjunto. No final, com uma colher de chá, um palito e molho, desenham-se alguns enfeites na borda do prato.

Catarina Rodrigues

Páscoa em Aveiro

http://www.youtube.com/watch?v=Xprfj7cCLus&feature=youtu.be

Por Filipa Lopes

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Mundialito de Futebol Jovem - A festa do futebol sente-se no sul


Foto por Mundialito
     

As férias da Páscoa trazem de novo a Vila Real de Santo António (VRSA) e Ayamonte o colorido Mundialito de clubes e escolas de futebol de 7.

Pelo sexto ano consecutivo VRSA acolhe este evento desportivo considerado o Torneio Internacional de Futebol Infantil mais importante do mundo, organizado pela Escola Internacional de Futebol Ricardo Godoy da Argentina que já conta com 19 edições.
Este ano o Mundialito apresentou uma novidade – integrou a categoria Querubins de futebol de 5 para as crianças nascidas no ano de 2006 que se juntaram aos Pré-Escolas (2004-2005), Escolas (2002-2003) e Infantis (2000-2001). Segundo o presidente da Câmara Municipal de VRSA, Luís Gomes “ É mais um estímulo para a prática desportiva em idades precoces e a oportunidade de desenvolver a motivação que a participação num torneio internacional sempre oferece. “ Entre os dias 31 de Março e 7 de Abril jogou-se no complexo desportivo de VRSA, nos três campos de futebol de Monte Gordo, nos dois campos do Lusitano Futebol Clube e ainda nos quatro campos desportivos de Ayamonte, um torneio que reuniu 170 equipas provenientes de 54 países dos 5 continentes. No total cerca de 4000 atletas com idades compreendidas entre os 5 e os 12 anos invadiram o sotavento algarvio e o sul espanhol para dar luz a este espectáculo futebolístico.

Foto por Andreia Roberto
Um evento que não só dinamiza o concelho de VRSA e o Ayuntamiento de Ayamonte, como também os concelhos limítrofes de Castro Marim, Alcoutim e Tavira. Este ano mais de 65 mil pessoas visitaram a região e  mais de 5 mil pessoas assistiram a vários jogos. Luís Gomes destaca “ Para a Câmara Municipal de VRSA é uma honra poder associar-se a esta festa. Queremos que a nossa cidade continue a afirmar-se como Cidade dos Desportos, Cidade dos Campeões e Capital Internacional do Futebol Infantil. A excelência do nosso complexo desportivo, com o seu desenvolvimento progressivo, aliado à amenidade do nosso clima e à qualidade das nossas praias, oferece as melhores condições."
Num torneio em que as crianças procuram o troféu dos campeões nem todos podem sair vencedores. No entanto ninguém é eliminado numa primeira fase. Uns seguem pelo torneio dos campeões e outros pelo torneio de consolação. Na felicidade de uns vê-se a tristeza de outros, Philipe Ramón, jogador do Real Bétis do escalão Infantis mostra a sua desilusão depois de disputar a final com o Real Madrid “ Chegámos até aqui e queria ganhar ao Real Madrid, mas não conseguimos. Falhamos muito. Para o ano vamos ganhar.”


Na cara de Pablo Rodriguez, jogador do Barcelona, no escalão Escolas a alegria e euforia é evidente “ Nós ganhamos a Copa! Estou muito contente! O Ajax foi uma equipa muito forte mas nós estivemos melhor”    
Um projeto que procura promover o desporto nos mais jovens e que proporciona também o convívio entre equipas, assim afirma a diretora geral, Nilda Teruel. “O desporto base fundamenta os hábitos saudáveis das crianças, respeito pelas normas, o descobrimento das possibilidade, prepara as crianças para a permuta contínua e as normas para conviver com os restantes. São todos crianças mas competir com Benfica, Real Madrid, Barcelona é uma oportunidade que muitos só têm aqui."  Para o diretor Ricardo Godoy “é sobretudo sinónimo da festa das crianças e um passo mais para o crescimento do Mundialito, que deverá passar a ter duas edições anuais: uma em Vila Real de Santo António e outra no Qatar”.

Foto por Andreia Roberto
Foto por Mundialito

Neste evento de grande dimensão juntaram-se centenas de voluntários do concelho de VRSA que contribuiram com a organização e ajudaram as equipas durante a semana . Para Beatriz Roberto de 13 anos, guia do C.D.Canillas da cidade de Madrid, “ Foi uma semana que nunca vou esquecer. Para além de convivermos com várias culturas também fizemos amigos para a vida”. 


Além da festa do desporto, o recinto acolheu o “Museu Mundialito”, um espaço de 130 metros quadrados onde estiveram em exposição perto de 3 mil peças autografadas pelos grandes nomes do futebol. No museu esteve igualmente exposta a taça do mundo da FIFA, ganha pela seleção espanhola, em 2010, na África do Sul. O troféu foi cedido pela Real Federação Espanhola de Futebol.
No último dia de festa desportiva entre miúdos, a final teve sabor espanhol. Os clubes espanhóis dominaram “a maior edição” do Mundialito de futebol jovem. O Real Madrid sagrou-se campeão na categoria de Infantis ao vencer o Real Bétis nas grandes penalidades. Na categoria escolas, os jovens jogadores do Barcelona ganharam ao Ajax nas grandes penalidades, depois de terem terminado a partida com um empate a três bolas. Já na final de pré-escolas, o Sevilha mostrou superioridade, vencendo o Barcelona por 3-2. Por fim, no escalão de querubins, os pequenos da Escola Internacional Ricardo Godoy ganharam ao Sevilha, por 4-3.
Ao longo de oito dias os mais novos foram os protagonistas na festa do futebol, disputando-se cerca de 750 jogos. Para além da competição, o convívio e a animação também reinaram no sul que juntou várias culturas. Desporto e fair play andaram de mãos dadas em mais um Mundialito de Futebol Jovem.  


Entrevista com Nilda Gutierres - Organizadora do Mundialito - http://soundcloud.com/andreia-leonardo-roberto/entrevistamundialito 



Andreia Roberto 





domingo, 8 de abril de 2012

Venha "desfazer o folar"!


Na segunda-feira de páscoa é dia de “desfazer o folar” em Freixo de Espada à Cinta. Uma tradição muito antiga que marca também o dia do feriado municipal.
“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, mas as tradições permanecem de pé, embora um pouco mais adulteradas.
Em tempos de outrora, as gentes levavam o farnel para o campo e degustavam-no ao som dos realejos e das concertinas. Hoje em dia é a música pimba que impera, e à sombra das grandes árvores da praia fluvial da congida, junto ao rio Douro, come-se a merenda onde o folar (que nesta região é feito com enchidos como a chouriça, o salpicão e presunto) é rei e senhor, acompanhado das azeitonas do queijo e do vinho.
Mais que um simples dia de descanso, o “desfazer do folar” serve essencialmente para se confraternizar com a família e amigos que não se viam desde o natal ,e que nesta época se reúnem à mesa.
Entre a comida e a bebida cruzam-se conversas, relembram-se velhos tempos e perspectiva-se um futuro próximo.
Depois partem, abastecidos com os diversos produtos da região, levando com eles o desejo de voltar.

Fait divers por Tiago Rentes

terça-feira, 3 de abril de 2012

Paixão gastronómica

”A minha primeira palavra foi uva e aos 5 anos queimei o pé com caramelo porque tinha de estar sempre a ver o que se passava em cima do fogão. Aos 9 anos já fazia verdadeiros banquetes para os meus pais.”



Neuza Costa aliou o gosto que sente por cozinhar às novas tecnologias e o resultado foi um SaborIntenso.
Nesta entrevista conta-nos como surgiu a ideia de criar um site sobre culinária, quando nasceu o gosto por cozinhar, e qual a opinião sobre o “boom” da gastronomia nos últimos tempos.
Posts de Pescada (PP): O que é o SaborIntenso?
Neuza Costa (NC): O SaborIntenso é um site de culinária dedicada à produção diária de vídeos, onde se podem trocar receitas, experiências e ideias. É diferente de todos os outros, com receitas originais, acessíveis a qualquer pessoa, mesmo aos que nunca pegaram num tacho. Divulgar a cozinha portuguesa pelo mundo, é um dos nossos objectivos, visto ser uma das melhores e não ser reconhecida mundialmente como deveria. A ideia surgiu de conjugar os meus interesses e os do Sandro, sendo ele programador e de gostar de fotografia e eu de culinária.
PP: Porquê o nome SaborIntenso?
NC: Queríamos um nome que simplificasse o que apresentamos no site, um nome que fosse fácil de memorizar e tendo em conta que fazemos pratos muito diferentes, penso que não poderíamos ter escolhido melhor.
PP: Como é que o site está estruturado?
NC: O site está dividido em 3 grandes áreas, a área dos vídeos, da troca e partilha de receitas e das experiências dos membros.
PP: De entre todas as categorias qual é a que prefere “alimentar”? Porquê?
NC: Esta é difícil… talvez pratos de carne e sobremesas, carne porque adoro misturar sabores exóticos como especiarias fortes e frutas. Sobremesas, porque essencialmente sou muito gulosa. Por fim, petiscos, como boa portuguesa que sou não pode haver um bom jogo de futebol sem uma mesa cheia de petiscos.
(clique na imagem para visualizar a receita)

PP: Onde se inspira para fazer os diferentes tipos de pratos?
NC: Tento sempre aproveitar os países por onde já passei, os conhecimentos que me foram transmitidos ao longo dos anos por familiares, conheço bem a cozinha portuguesa, angolana, brasileira e espanhola. Muitas vezes cozinho e filmo simplesmente aquilo que me apetece almoçar.
PP: Desde quando surgiu este gosto pela culinária?
NC: Sinceramente não posso dizer ao certo porque desde que me lembro que adoro comida e tudo que esteja relacionado com culinária. A minha primeira palavra foi uva e aos 5 anos queimei o pé com caramelo porque tinha de estar sempre a ver o que se passava em cima do fogão. Aos 9 anos já fazia verdadeiros banquetes para os meus pais.
PP: Considera que cozinhar é uma arte?
NC: Sem dúvida alguma que é uma arte, e como qualquer arte é necessário paixão por aquilo que se cria.
PP: Qual é a sua contribuição para o saborintenso?
NC: Eu trato das receitas, escolho-as, idealizo-as, compro os ingredientes, preparo-os, executo as receitas, faço o áudio dos vídeos, os valores nutricionais e custos das receitas, por fim respondo às questões do site, youtube, facebook. O Sandro, que é meu marido tem facilidade na parte técnica e é ele que filma, edita, fotografa e trata de toda a gestão e administração do site e das redes sociais.
PP: É importante que o SaborIntenso tenha saído do registo habitual de sites e blogs de culinária e “saltado” para as diversas plataformas, como as redes socias?
NC: Estamos praticamente desde o início no Youtube, Facebook e Twitter, sendo que uma grande parte do tráfego gerado para o saborintenso surge através destas redes sociais. Um site com a dimensão do SaborIntenso necessita de bastante tráfego para sobreviver, por isso, é de grande importância a nossa presença nas redes sociais. Temos agendado o salto para as plataformas móveis, com o desenvolvimento de aplicações para iPhone, iPad, Android e Windows Phone de forma a abrangir mais utilizadores para os nossos conteúdos.
PP: No facebook são mais de 18.000 as pessoas que gostam do SaborIntenso, e o canal no youtube está subscrito por mais de 10.000.
Qual é o feedback dos seguidores do seu trabalho?
NC: O feedback tem sido bastante positivo, sentimos de certa forma que estamos a cumprir o objectivo de ser um site de referência e de colocar cada vez mais pessoas a cozinhar em casa e a ter prazer com isso.

(clique na imagem para visualizar a receita)

PP: O SaborIntenso tem também revistas e ebooks.
Os seguidores do projecto mostram-se receptivos a este tipo de revistas digitais?

NC: O facto de poder ter os nossos conteúdos guardados de forma organizada num documento, que possa ser acedido a partir de qualquer dispositivo sem necessitar de uma ligação à internet tem tido uma grande aceitação. Contudo, ainda existe um longo caminho a percorrer para que se olhe para uma publicação digital da mesma forma que uma em papel.
PP: Hoje em dia existe uma quantidade infinita de programas de culinária, há canais por cabo dedicados apenas à temática culinária, os blogues são às centenas, já não há talk show que não tenha o seu espaço de culinária e até concursos para descobrir o melhor cozinheiro de Portugal. Qual a sua opinião sobre este “boom “ da culinária nos últimos tempos e porque é que acha que isto está a acontecer?
NC: Penso que acabam por ser modas que pegam e que são alimentadas muitas vezes pela comunicação social, um canal lembra-se de colocar um programa de culinária e os restantes vão atrás e rapidamente não existe canal nenhum que não apresente um programa de culinária. As redes sociais sem dúvida que também têm a sua cota parte, a facilidade com que qualquer pessoa partilha a foto do jantar acaba por motivar os menos interessados. 
Os tempos mudam, antigamente era romântico levar a namorada a jantar fora, hoje em dia é mais romântico e mais apreciado os rapazes cozinharem para as namoradas.
Talvez uma das grandes razões acabe também por ser a crise que o país está a atravessar, sai mais em conta ter uma boa refeição em casa e esses programas e sites como o SaborIntenso acabam por ajudar nesse aspecto também porque ensinam a comer bem e barato.
Acho que todo este interesse em relação à culinária por parte dos portugueses é bastante benéfico, pois um dos nossos maiores patrimónios sem dúvida é a gastronomia portuguesa, a qual se estava a perder um pouco, assim as tradições não se perdem e pode ser que um dia seja mais reconhecida pelo mundo.
Veja aqui a receita da sobremesa - Pavê de Café e Whisky

BOM APETITE!

( a publicação das fotos e do vídeo foi autorizada pela Neuza Costa)
Entrevista por Tiago Rentes

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Casting 100% VJ




No decorrer do Mtv Casting VJ que, durante os últimos meses, parou em diferentes cidades do País à procura da nova cara da Mtv, fazemos um rescaldo do casting que aconteceu no Forúm da cidade de Coimbra com uma entrevista a, Andreia Roberto, uma dos muitos concorrentes que tentaram a sua sorte.




Posts de Pescada (PP): O que te levou a participar no Mtv VJ casting?

Andreia Roberto (AR): Uma boa oportunidade para quem gosta da área da comunicação e da música. Decidi participar na “desportiva” e foi uma experiência muito divertida.

(PP): Quais eram as "provas" que os concorrentes tinham de fazer?

(AR): Nós, tinhamos um guião que nos servia de base com as perguntas. Em primeiro lugar tivemos de improvisar uma possível vitória do VJ Casting, depois apresentamo-nos em português e em inglês justificando as razões que nos levaram a participar no casting, posteriormente, apresentamos uma nóticia do Justin Bieber, cantámos e dançámos.

(PP): Qual foi a parte mais dificil do casting?

(AR): Não achei o casting difícil pois foi um divertimento, mas talvez a parte em Inglês deu mais que pensar.

(PP): Que aspectos, positivos e/ou negativos, que salientas da tua participação?

(AR): Os aspectos negativos são os nervos. Sou um bocadinho nervorsa e isso às vezes torna-se um factor de desvantagem. No entanto, o casting proporcionou o contacto com as câmaras, improvisar num curto espaço de tempo e a animação do pessoal tornaram a experiencia não só animada como também positiva e enriquecedora.

(PP): Na tua opiniao, quais deviam ser as caracteristicas do proximo vj da mtv?

(AR): Uma pessoa dinâmica, divertida, comunicativa, com um certo sentido de humor e que se adapte a qualquer estilo musical. Penso que estes são os “ingredientes” principais que compõem um VJ.

(PP): Voltarias a participar?

(AR): Claro que sim.

Nuno Pinto
Eduarda Barata 

À mesa com ... Hernâni Ermida

Formado na “Escola Lenôtre” em Paris, o Chefe Hernâni Ermida é cada vez mais uma cara bem conhecida dos telespectadores portugueses. A fazer “televisão sem parar”, o chefe considera essencial divulgar a cozinha saudável e como comprar de uma forma económica. O trabalho na área científica, os produtos e marcas que representa e as revistas ocupam-lhe demasiado tempo para abraçar novos projectos.


Legumes, peixe, produtos da terra, sopa e fruta são a base para uma alimentação equilibrada. Dando a sua opinião sobre a gastronomia em Portugal, o chefe Hernâni Ermida considera que cada vez mais os Portugueses têm cuidado com o que comem, embora a actual conjuntura económica que o país atravessa, pode revelar-se um perigo para a saúde dos portugueses, na medida em que perdemos hábitos saudáveis. Para o chefe a prevenção é a base para uma alimentação saudável.  


Por: Isabel Oliveira

Lute contra o cancro

Fotos: Tertúlia sobre o apoio social ao doente oncológico


Por Filipa Lopes

Museu a Céu Aberto


arte s. f. (latim ars, artis, maneira de ser ou agir, conduta, habilidade, ciência, talento, ofício) Preceitos para fazer ou dizer como é devido; Livro de tais preceitos; [Figurado] Modo; artifício; Habilidade; Ofício; Manha, astúcia; - in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.


Muitos chamam de vandalismo mas outros vêem arte digna de espaços prestigiados e seguros como os museus. Os autores destas obras porém, preferem as ruas. Nos sítios mais banais encontram suas telas que os permitem expressar (não tão) livremente o que lhes vai na alma.
Street Art ou Arte Urbana, passa não só por graffitis mas também pelos stencil (estêncil), a posteres artísticos (também conhecidos por Posteres Lambe-Lambe ou Wheat-paste), a Flash Mobs, estátuas vivas, malabaristas, teatros de rua, entre muitos outros.
Estes artistas dão cor às ruas cinzentas portuguesas que todos por lá passam mas que muitos poucos têm o tempo para as apreciar. São bastante criticados quando têm o "mau gosto" em destruir fachadas históricas, mas adorados por tantos outros quando respeitam o passado dessas suas "telas" e expressam de forma grandiosa a sua vontade de desenhar este centro.
Mostramos com esta foto-reportagem a variedade de arte a céu aberto que encontramos num só dia, em 1 hora, na cidade dos estudantes: Coimbra.

Vanessa Sofia





SDC13050SDC13053SDC13103SDC13102SDC13101SDC13100
SDC13099SDC13098SDC13097SDC13095SDC13094SDC13093
SDC13091SDC13090SDC13089SDC13088SDC13087SDC13086
SDC13085SDC13084SDC13083SDC13080SDC13079SDC13077
Galeria de Posts de Pescada no Flickr.
(clique em «Galeria de Posts de Pescada» para ver mais fotos no álbum «Museu a Céu Aberto»)