sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Os Jovens e o seu Futuro Profissional


Portugal é um dos países que dispõe mais ofertas a nível académico aos estudantes, mas também elevadas taxas de desemprego.
O território nacional apresenta uma taxa de desemprego nos 10,9%, sendo o quinto país onde o desemprego aumenta.
Mariana Gonçalves. R2

            Em Portugal, os alunos que concorrem ao ensino superior têm a possibilidade de escolher mais de 4 mil cursos.  As áreas que têm cativado mais os estudantes a se matricularem são as Ciências Empresariais que surge  logo seguida das Engenharias, da Sáude, Advocacia, Ciências da Educação, Letras, etc.
            Apesar da grande variedade de oferta nas instituições públicas e privadas, os jovens não têm a certeza das suas opções e, deste modo, desistem ou alteram as suas decisões iniciais. No entanto, com o processo de Bolonha, os estudantes podem reingressar facilmente em outras áreas do ensino superior sem quaisquer preocupações.  Por outro lado, não é somente a mobilidade e a facilidade com que os alunos portugueses conseguem mudar de curso, mas também por poderem ingressar em faculdades de diferentes países da União Europeia (EU) durante o curso.
                         Numa fase em que o país atravessa uma das suas maiores dificuldades financeiras, a taxa de empregabilidade de jovens licenciados no mercado de trabalho é quase nula, devido a esta situação de instabilidade. Portugal ocupa o quinto lugar de pior desempenho a nível de empregabilidade com uma taxa de 10,9%, de acordo com os dados apresentados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).   Ao longo do ano passado, a taxa de desemprego em Portugal sofreu um agravamento de 1,3 pontos percentuais. Consequentemente encontramos jovens com formação académica a exercerem trabalhos que não correspondem à sua àrea. Observamos jovens estudantes nas  caixas de supermercados, pois não conseguem arranjar emprego.



Fonte: Jornal de Negócios (25 de Julho de 2011)

Neste gráfico observa-se as taxas de desemprego dos seguintes cursos de instituitos públicos e privados: Gestão e Administração Pública, Artes, Ciências da Educação, Comunicação Social, Desporto, Direito, Línguas e por fim, Medicina.

            Segundo os dados fornecidos pelo Jornal de Negócios de este ano, a Medicina e outros cursos relacionados com a área da sáude, nomeadamente, radioterapia e reabilitação psicomotora, apresentam as melhores condições de empregabilidade com uma taxa mínima de 5.6%, sendo um dos cursos mais procurados pelos estudantes portugueses.  Direito também é moda em Portugal e figura como a segunda área com mais alunos inscritos e com a taxa de 6,2%. Em contrapartida, o curso de Comunicação Social revela o nível mais elevado de desemprego com uma taxa de 11,9% entre estes cursos. Em termos comparativos entre o sector público e o privado há três áreas de formação que dominam: Ciências Empresariais, Direito e Serviços Sociais.
            Porém, hoje em dia, ter uma formação académica não ajuda a entrar no mundo do trabalho.    

Sem comentários:

Enviar um comentário