sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Regresso às aulas, mais despesas!






Há coisas que não são para se perceber. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível.

O que eu quero, é dar os parabéns a quem está a frequentar e a quem terminou o Ensino Superior em Portugal. Parece-me que poucas pessoas conseguem tal proesa, está cada vez mais complicado. O regresso às aulas não implica apenas, a compra de material escolar, as propinas também fazem parte das preocupações dos estudantes e dos pais, visto que, é necessário efectuar o pagamento da primeira prestação das propinas, no acto da matrícula, para além disto tudo, ainda há que tem conta as despesas com alojamento, alimentação, transporte, dependendo da distância entre a casa e a escola, despesas com água, luz e gás, enfim, uma infindável lista de despasas. O que não é fácil para muitas famílias, que etão a passar por muitas dificuldades, dificuldades estas, causadas pela creise que o país atravessa. Muitas pessoas desempregadas e como filhos em idade esclar, o que torna as coiasas ainda mais complicadas.

Não duvido nada que o número de entradas para o ensino superior venha a baixar significativamente neste ano lectivo.

Tenho grande admiração por aquelas famílias, que mesmo com baixos rendimentos, vão fazendo sacrifícios para manter os seus filhos a estudar. Não sei até quando vão conseguir apertar o cinto, parece-me que um dia destes já não será possível apertar mais.

Hoje em dia, estudar não é para quem quer, mas sim para quem pode.

O regresso às aulas não é um problema apenas para o Ensino Superior, o regresso ao ensino básico, médio e secundário deparam-se com a mesma preocupação. Os pais e encarregados de educação, têm que desembolsar um bom dinheiro para poder comprar material escolar, roupas para os miúdos e outras despesas inerentes ao regresso às aulas.

Gostaria realmente que esta situação melhorasse, o país precisa de apostar na educação, principalmente no acesso fácil, descomplicado e igualitário para todos, independentemente das dificuldades financeiras, portanto, seria ideal que o valor das propinas fosse acessível a todos, que os preços dos materiais escolares fossem mais em conta.

Já me ia esquecendo, como se estes problemas todos não bastassem, ainda temos as bolsas de estudo. No ano lectivo passado, as bolsas de estudo foram concedidas em número inferior, imagino que este ano lectivo o número seja ainda menor.

Penso que o assunto à volta das despesas inerentes à educação, não se acaba, podia ficar aqui durante horas a fio a escrever, e não ia conseguir esgotá-lo.

Como eu disse inicialmente, não se percebe que seja vedado a muitos o direito de aprender, mas é o país que temos.







Elma Magaia

emagaia@esec.pt

Redacção 1











Sem comentários:

Enviar um comentário