sábado, 12 de novembro de 2011

Condeixa-a- Nova: uma vila onde se respira a sua história


Fernando Silva viveu durante toda a sua vida em Condeixa-a-Nova,vila do distrito de Coimbra. Aos 51 anos, o entrevistado conta-nos o que mudou em Condeixa, as atracções que a vila oferece e sugestões que gostaria que fossem levadas a cabo.

Posts de Pescada: Há quanto tempo vive em Condeixa-a-Nova?
Fernando Silva: Vivo em Condeixa-a-Nova há 51 anos, precisamente desde o dia que nasci, ainda sou do tempo em que a parteira ia a casa das pessoas.

Posts de Pescada: O que mais mudou na vila de Condeixa-a-Nova nos últimos anos?
Fernando Silva: Nos últimos anos mudou muita coisa na vila. As ruas estão mais bonitas e com passeios, temos melhores infra-estruturas desportivas e, muito importante, temos excelentes infra-estruturas escolares.


Posts de Pescada: Na sua opinião, pensa que a vila corresponde às necessidades dos habitantes?
Fernando Silva: A construção imobiliária e a população em redor da vila tem crescido muito, pelo que a vila terá de suprir algumas necessidades, mais visíveis em termos de trânsito que têm crescido bastante e em nada tem contribuído o condicionamento de acesso à vila que a Câmara Municipal, a falta de lugares de estacionamento o que dificulta a vida às pessoas a aos comerciantes e restauração locais, os  mais prejudicados com esta situação.


Posts de Pescada: Quais as principais atracções, que a vila possuiu, que mais costumam atrair visitantes?
Fernando Silva: As Ruínas e o Museu Monográfico de Conímbriga, a 2Km da vila, é o maior centro de atracção turística, mas que com a construção da estrada circular externa da vila e o condicionamento do trânsito em Condeixa, praticamente passa despercebida a vila aos visitantes e os visitantes à vila. A pousada Santa Cristina e os castelos senhoriais ainda existentes em Condeixa atraem algumas pessoas, mas sem significado para o desenvolvimento da vila.


Posts de Pescada: O que o mais desagrada ao viver em Condeixa-a-Nova.
Fernando Silva: Tal como acontece nas grandes cidades a vila começa a estar deserta, nota-se sobretudo à noite, cuja praça principal não tem o movimento de outrora. Faltam motivos de atracção, o centro da vila começa a ficar deserto. Também o facto de não existirem actividades culturais com carácter residente, cultura feita pelos habitantes locais me desagrada. As actividades culturais não vila são praticamente inexistentes.


Posts de Pescada: Tendo em conta que sempre trabalhou na cidade de Coimbra, porque nunca decidiu estabelecer-se na mesma?
Fernando Silva: Porque me agrada viver na vila de Condeixa onde os naturais se conhecem todos. Todos conhecem os hábitos de todos e sabem o local e as horas certas para encontrar quem se pretende. É como uma família grande onde todos tem alguma afinidade. O preço da habitação em Coimbra também não é convidativo para a mudança.

Posts de Pescada: Segundo o seu ponto de vista, acha que deveria ser feita alguma alteração na vila?
Fernando Silva: A vila tem evoluído a olhos vistos nos últimos anos, mas há sempre algumas áreas em que a actuação da edilidade deixou algo a desejar. Sou da opinião que a Câmara levasse a cabo um inquérito rigoroso e alargado a comerciantes e locais de modo a verificar onde existe alguma insatisfação.


Posts de Pescada: Como definiria a vila de Condeixa-a-Nova?
Fernando Silva: Defino a vila de Condeixa como um lugar acolhedor, simpático e onde se sente, se respira em cada rua a sua história. Há memória em toda em vila, que em tempos foi devastada pelas invasões francesas.


Posts de Pescada: Quais as razões que daria às pessoas para visitarem Condeixa-a-Nova?
Fernando Silva: Existe algo de místico na vila que é inexplicável. Só sentido, respirado pelo que o melhor é visitar a vila.

Entrevista e Fotografia: Inês Silva, Redacção 1

Sem comentários:

Enviar um comentário