quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Reflexo de uma cidade


Reflexo… Reflexão. Ou talvez a reflexão de um reflexo. Aveiro é assim. O espelho de uma cidade que se mostra duas vezes. Uma por terra, outra por ria. Uma real, outra espelhada.
Entre canais que não têm ondas mas têm sal, a cidade de Aveiro cresce e abraça a água como se sempre tivessem crescido juntas e não houvesse irmã mais velha. A cidade moldou-se à ria e aos tempos. E a ria não se importou.



Os moliceiros, com as suas bordas baixas para carregar melhor o moliço, povoaram os canais. 




        Mónica Ribau 1_ O Moliceiro 


O tijolo cresceu entre as margens e as ruelas nasceram estreitas, em calçada, com cheiro a peixe. 



    Mónica Ribau_ A Baixa e o Rossio

E como se não pudesse ser de outra maneira, o canal principal permaneceu sempre imponente. No centro, no alvo principal da cidade. Pintalgado e agitadas as águas pelas carcaças coloridas. 



    Mónica Ribau 3_ Canal Principal da Cidade 

 E mesmo quando, por vezes, se decidiu que não havia espaço para terra e água coabitarem juntas, cada uma no seu sítio… encontraram-se soluções e criaram-se maravilhas, quase sem querer.



        Mónica Ribau 4_ Capitania


Mónica Ribau 5_ Praça dos Arcos


As montras que deixam a água na boca. Quando se comprimem os saberes e as tradições de um povo no paladar. Quando se reflecte a cidade salgada no doce do sabor.  





          Mónica Ribau 6 _ Os Ovos Moles


Numa cidade feita de reflexos e reflexões... os contrastes aparecem. Mais do que terra e ria, há antigo e novo. Há quente e há frio.  



      Mónica Ribau 7_ Centro de Congressos e Hotel Meliá Ria  

Há passado e futuro num presente. A tradição e a história… 



     Mónica Ribau 8_ Antiga Estação de Comboios 


 …O visionário e o empreendedor.
 

Num momento. Num reflexo ou numa reflexão.
Numa cidade.



     Mónica Ribau 10 _ Largo do Fórum Aveiro

MÓNICA RIBAU _ R2

Sem comentários:

Enviar um comentário