sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

"Schindler's List"- Um homem por 1.100 vidas


“Schindler’s List” é um filme norte-americano dirigido por Stevern Spielberg em 1993. Este filme, que retrata os duros anos do Holocausto, joga com as cores branca, preta e vermelha, sendo que a última oferece ao filme um impacto brutal. O filme é baseado em factos reais narrados por Leopold Pfefferberg, um dos muitos judeus que Oskar Shindler salvou.

 O filme centra-se na história de Oskar Schindler, desempenhado por Liam Neeson, um empresário alemão cujo objectivo é lucrar com a guerra.

O espectador vai descobrindo quem realmente é o protagonista no decorrer do filme, atribuindo-lhe inicialmente características que em nada se adequam à personalidade do personagem.

Oskar, através do dinheiro de alguns empresários judeus, abre uma fábrica de panelas para o exército. Em troca, os “financiadores” recebem uma pequena percentagem do bens produzidos, que poderão vender futuramente nos guetos a outros judeus. Como possuiu pouco conhecimento acerca do mundo dos negócios, Schindler contrata Itzhak Stern, representado por Ben Kingsley, que através dos seus diversos contactos demonstra ser uma mais-valia para a empresa do alemão. São várias as demonstrações de amizade de Schindler pelo seu funcionário. Para poder visitar Stern, quando este é enviado para um campo de concentração, Oskar chega a subornar elementos da SS, correndo o risco de sofrer consequências graves. A química entre Liam Neeson e Ben Kingsley é bastante perceptível aproximando o público não só da narrativa mas de ambas as personagens.

Oskar Schindler precisa então de um grupo de judeus especializado que o ajudem no trabalho da fábrica. Para esse fim realiza, com a ajuda do seu fiel assistente Stern, a famosa lista de Shindler”, que em muitos casos fazia a diferença entre a vida e a morte de muitos judeus.

Tudo transcorria naturalmente até chegar o Tenente Amon Goth, da SS, cujo propósito era supervisionar a construção do Campo de Concentração de Plazsów. Ralph Fiennes desempenha brilhantemente o papel do frio Tenente nazi levando o espectador, desde o início, a nutrir uma tremenda raiva pelo mesmo.

Quando o campo de concentração fica pronto, os nazis esvaziam o gueto matando qualquer pessoa que oferecesse resistência. O empresário alemão sente-se mortificado ao observar a cena mas nada pode fazer perante o massacre. É então que o plano começa: Schindler torna-se amigo de Göth que, através de subornos, aceita construir um campo de concentração específico para os empregados da fábrica do primeiro.

Adjectivos como tocante, forte ou poderoso, não são suficientes para caracterizar o filme. A história, que se inicia em 1939, já não se restringe somente a Oskar Schindler e à sua boa vontade para com os judeus. Ao longo do filme ligamo-nos a várias personagens, conhecemos várias histórias e escolhermos o nosso próprio protagonista. Vencedor das categorias de melhor filme, director e roteiro, é um filme que conta uma história que ninguém deve perder ou esquecer.
Inês Silva, R1
Fonte da imagem: http://ynaija.com/wp-content/uploads/2011/04/schindler.jpg

Sem comentários:

Enviar um comentário