terça-feira, 30 de outubro de 2012

Alguém achou a minha bolsa?

Devo começar este artigo de opinião por vos dizer que não tenho bolsa de estudo. É, ao que parece sou rica, eu e tantos outros estudantes que também já pertenceram à chamada classe média e que graças à Troika e ao nosso belo governo deixou de existir. Eu achava que já nos poderíamos considerar pobres. Vejamos, contar tostões para poder comer algo fora de casa e descobrir que afinal o melhor será não comer, ter as contas da água, luz e gás atrasadas e a internet cortada, fazer duas ou menos refeições por dia constituídas por “um quase nada”. É esta é a realidade de muita gente que conheço e em parte a minha também, e eu achava que essas pessoas eram pobres e que eu estaria gradualmente a empobrecer também, mas afinal não. Afinal nós estamos ricos e não sabíamos. Se calhar o nosso problema não é falta de dinheiro mas sim falta de inteligência e discernimento para saber o que fazer com todo ele. Afinal de contas os deputados também ganham pouquinho e têm a vida que têm. Definitivamente a burrice é nossa. As nossas propinas são apenas 775€ anuais, sem contar claro com a pequena quantia que temos de pagar de matrícula e as outras diminutas despesas que podemos ter, como equivalências (que eu nem me arrisquei a pedir), fotocópias, etc. De facto pergunto-me porque é que famílias monoparentais, desempregadas ou outras que tais têm sequer a lata de pedir a bolsa de estudo. Com 485€ por mês, agora nem tanto, deve dar certamente para muita coisa, até porque as rendas das casas/apartamentos (t1 e t2) que a maioria de nós tem para viver com as suas famílias rondam apenas os 350 ou 400€ por mês. É claro que há mais caras, mas apesar de sermos “ricos” temos de ser comedidos. Depois sobram entre 85 a 185€ para pagar tudo o resto. Devo recordar que comer é um luxo e que não devemos abusar dele, afinal de contas não queremos contribuir para as estatísticas da obesidade.

Agora a sério, estamos em Portugal, a crise está instalada e o Governo apoia todos menos quem realmente precisa. Há famílias a precisar de apoio, a precisar de incentivos. Se criaram as novas oportunidades e estão a dar de mão beijada o 9º e o 12º ano a pessoas que já trabalharam muito e que querem uma “nova oportunidade” mas também a parasitas que nada lhes apetece fazer e que vêm nisso uma forma de ter o 12º ano em 3 meses sem esforço e ainda terem possibilidade de ingresso ao ensino superior, então porque é que não dão oportunidade a quem cá chegou ao fim de 12 anos de estudo, e muito esforço, de continuar nesta viagem e de se formarem? Porque é que vemos os nossos sonhos por terra porque o dinheiro foi todo para onde, muito possivelmente, não era preciso. Temos estudantes de fora que passam semanas longe da família pois a viagem sai cara. E uma ajuda para eles também? Não! O importante é dar dinheiro e casa a muitos estrangeiros que veem para cá e nada fazem mas que podem contar com a ajuda do “nosso” Estado. Obrigada pelo “estado” a que nos deixaram chegar, obrigada pelo País que deram à nossa geração, obrigada por contribuírem para que muitos de nós deixemos de ser o vosso futuro e tenhamos que partir em busca de sonhos que aqui ficaram perdidos.

No fim de tudo isto só quero pedir, por favor, quem encontrar a minha bolsa, devolva-ma.

por: Eva Pina 


O artigo está escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Sem comentários:

Enviar um comentário