sábado, 27 de outubro de 2012

“Hoje emoção, amanhã recordação!”



16 de Outubro, dia especial para os estudantes de Coimbra. Mais que uma tradição, a Latada constitui uma oportunidade para criar e fortalecer laços durante a vida académica.
 
A azáfama instala-se na casa que alberga “doutores” e respectivos afilhados. Latas são furadas, fatos são experimentados, “caloiros” são pintados, famílias vão ganhando vida antes de começarem a ser exibidas em plenas ruas da cidade de Coimbra. Pelo meio ficam os gritos de impaciência, os pedidos de “despachem-se!”, a pequena pausa de almoço para renovação de forças e os sorrisos nas caras de quem gosta da sua vestimenta e de quem acha que tanto trabalho árduo valeu a pena.
 
Até aos Arcos do Jardim muitos são os cursos que vão desfilando e exibindo as fatiotas que foram especialmente preparadas para os “caloiros”. O convívio entre estudantes é peça fulcral no cortejo da Latada, mas o baptismo no rio Mondego é o momento alto deste dia de festa. Emoções espalham-se pelas caras de quem apadrinhou e de quem foi apadrinhado e palavras ficam gravadas na memória de cada um. Um ciclo comum a qualquer estudante que passe por Coimbra - este ano caloiros, para o ano doutores; este ano vive-se, para o ano recorda-se!

por: Ana Ferreira, Diogo Carvalho e Vânia Santos


O artigo não está escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico


Madrinha a pintar a sua afilhada

Família académica a vestir o seu novo membro

Pausa para o almoço antes do cortejo
Família Simpson preparada para o grande dia

Família Shrek e os seus “doutores” a caminho do cortejo

Uma família unida a caminho do cortejo
Actuação da K&Batuna nos Arcos do Jardim

Diferentes famílias agrupam-se durante o cortejo

O grelo e o nabo marcam uma nova etapa na vida académica

“Caloira” a trincar o nabo da “doutora
E se o tempo de caloiros foi bom, enquanto “doutores” volta-se a querer reviver o momento
Animação e convívio entre os vários cursos marcam o percurso até ao rio
Madrinha a baptizar a afilhada no rio Mondego
A noite e o frio não impedem a continuação dos baptismos
Um abraço de agradecimento pelo acolhimento e pelas palavras ditas durante o baptismo
Após os três desejos pedidos, o atirar do nabo para o rio Mondego para desejar boa sorte durante a vida académica

Sem comentários:

Enviar um comentário