terça-feira, 16 de dezembro de 2014

“Uma televisão de estudantes, para estudantes”





Luís Almeida, estudante de Jornalismo na UC, é um dos principais impulsionadores da TvAAC, ingressando em 2013 e ocupando hoje um lugar na direcção de informação, tarefa que diz realizar “com enorme gosto” mas sem deixar de referir que é feita com “dificuldade, pois o associativismo é pouco”. 


A tvAAC é uma secção da Associação Académica de Coimbra desde 2003. Dividida em 6 departamentos (informação, programação, produção, técnica, administração e tesouraria), cada uma delas com funcionalidades diferentes e complementares, tendo como principais objectivos a difusão de informação académica e informação local, nacional e internacional assim como a divulgação, análise e formação de sócios no domínio da arte e técnica audiovisual.

A secção encabeçada por Luís Almeida, é a responsável pela produção do TvZine, um magazine informativo semanal, onde se dão a conhecer notícias sobre a Universidade e sobre a cidade de Coimbra; para além deste, existe também um espaço, denominado de “Conversas de Café”, que convida personalidades que se destacam nas suas respectivas áreas. Através de peças informativas, este departamento também se encontra presenta nas grandes festas da Cidade, a “Queima das Fitas” e a “Festa das Latas” sendo que o espaço “Mãe estou na Tv” é um dos mais reconhecidos.
Com a falta de recursos humanos, muitas peças ficam por fazer, até porque a maior dos colaboradores têm trabalhos e/ou frequências, o que torna difícil assegurar o normal funcionamento da Tv.
Mas, e apesar de todas as adversidades e dificuldades e de todo o trabalho que ainda é necessário ter, este ano bateram-se records de audiência, e aumentou-se o número de solicitações e requisições para peças de informação.
No que ao jornalismo em si diz respeito, Luis Almeida considera que este está em permanente mudança, caracterizando-se por ser mais rápido, tecnológico, audaz e passível de ser criticado.
Luis Almeida reconhece que a TvAAC fornece um tipo de conhecimentos que a faculdade não pode oferecer, uma vez que privilegia a parte prática e não a teórica, sendo que esta componente, nos tempos que correm, é deveras importante; o que leva o entrevistado a questionar-se sobre o porquê de não existirem protocolos com este tipo de secções, postulando que o número de peças, noticias e divulgação de eventos, o que beneficiaria os estudantes e a própria cidade.


 Por: Marlene Ribeiro
Cláudia Teixeira
Tiago Guedes
Eduardo Pinto
Ruben Tavares

Sem comentários:

Enviar um comentário