terça-feira, 20 de outubro de 2015

“No Crossfit não importa o nosso estatuto social ou capacidade atlética, o que é realmente importante é darmos o nosso melhor em cada momento.”


Amante do desporto, Bruno Braga é um jovem de 25 anos residente em Espinho. Estudou História na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, mas atualmente o seu mundo é o desporto. Monitor de Surf/Bodyboard, desde sempre foi um jovem apaixonado pelas ondas e pela tranquilidade e paz interior que o mar lhe traz. Bruno é ainda professor de Crossfit na Fit Box em Espinho, onde passa grande parte do seu tempo a treinar com os seus alunos. Como qualquer outro desportista de alta competição, Bruno tem uma alimentação cuidada e saudável.

Fiquemos então com o que este jovem nos tem para contar acerca do Crossfit, abordagem ao treino físico um pouco diferente daquela que a maioria das pessoas está habituada.


Bruno Braga



Há quantos anos praticas desporto? Em que modalidades desportivas já estiveste envolvido?

Faço desporto desde os 8 anos de idade. Comecei por jogar futebol e neste momento pratico Bodyboard, Surf e Crossfit.


Muita das vezes, quando se fala em Crossfit, as pessoas associam-no de certa forma ao ginásio e aos exercícios nele feitos. O que tens a dizer acerca das diferenças entre estas duas modalidades?

Essa é de facto uma realidade, muitas vezes o Crossfit é facilmente confundido com outras modalidades. Uma grande diferença é que este desporto privilegia a componente desportiva e a saúde, em detrimento da estética. Normalmente os utilizadores de um ginásio convencional, preocupam-se em atingir os resultados estéticos desejados, no menor tempo possível, recorrendo a exercícios isolados. Já no Crossfit privilegiamos a componente funcional e técnica, olhando para os resultados estéticos como se fossem um reconhecimento do nosso esforço, ou seja, numa box a máquina para realizar os exercícios, é o nosso corpo. A outra grande diferença é o espírito de comunidade que envolve uma box de Crossfit, porque vivemos não só com as nossas vitórias, mas também com as dos nossos companheiros, somos todos uma família. Por último é ainda importante referir que no Crossfit não importa o nosso estatuto social ou capacidade atlética, o que é realmente importante é darmos o nosso melhor em cada momento.


"Deadlift" (200 Kg)






Quando passaste de aluno a professor de Crossfit? Conta-nos um pouco de como tudo aconteceu.

Acho que este foi um resultado natural do que é a essência deste desporto. O Crossfit passou a ser mais do que um desporto, passou a ser a minha forma de viver e com isso influenciei quem estava à minha volta, criando a minha "família" de treino. O passo seguinte foi arranjar uma "casa" para nós e para isso inaugurei em junho deste ano a Fitbox em Espinho. Mas na verdade não me sinto apenas professor, porque nesta comunidade aprender e ensinar é recíproco.


Quantas horas por semana treinas?

Depende muito do volume e intensidade da programação do meu treino. Mas varia entre 7 a 14 horas semanais.


Que cuidados tens com a tua alimentação?

Tenho muito atenção à minha alimentação, pois o meu rendimento como atleta depende disso. Tento seguir uma dieta paleolítica com benefícios, ou seja, a base é paleo, mas recorro a alimentos que considero benéficos para mim, mesmo que não sejam admitidos nesta filosofia alimentar. Um dos maiores cuidados que tenho a nível alimentar é a contagem de tudo aquilo que como para controlar e equilibrar da melhor forma a minha dieta.


Em que te inspiras para alcançares os objetivos que traças dia após dia? Os teus alunos têm algum papel importante para ti nessa luta?

Os meus alunos que na verdade são os meus companheiros para o treino e para a vida, são sem dúvida a minha maior inspiração. Sempre que estou num momento de treino ou competição em que tenho de sofrer um pouco mais para fazer mais e melhor, penso que eles acreditam em mim e que estão sempre ao meu lado para me apoiar.



Bruno Braga e a sua equipa na Fit Box





És um desportista de alta competição. Em que competições já participaste e de quais pretendes ainda fazer parte?

Participei na primeira edição do N14 invitational, onde acabei por me sagrar vencedor juntamente com a minha equipa. Participei no Crossfit Open em 2014 e mais recentemente participei com a minha equipa da Fitbox no Prozis Manz Crossgames. Ainda aguardamos o veredicto desta última prova, pois o meu objetivo imediato é qualificar-me para a fase final do Crossgames, que será em novembro no Meo Arena.


O que mais gostas no cross-fit?

O que mais gosto no Crossfit é a capacidade que adquiro dia após dia, com os desafios por que passo, de conhecer mais um pouco de mim e das minhas limitações como atleta e humano, alcançando assim, algo para melhorar.


Além do Crossfit és um apaixonado pelo surf. Até que ponto eras capaz de deixar o cross-fit em virtude do surf, no caso de poderes apenas praticar um deles?

Essa é a pergunta mais difícil que já me colocaram. Acho que não seria feliz deixando de praticar um destes desportos.


Dedicas grande parte do teu tempo ao desporto. Não sentes que ficas com pouco tempo para estares com a tua família e amigos?

É uma realidade que dedico a maior parte do meu tempo ao desporto, mas é da forma que dou ainda mais valor aos momentos preciosos que tenho com a minha família e amigos.


O quanto é o desporto importante para ti?

Importante o suficiente, para eu não encontrar palavras para quantificar.


Que mensagem nos queres deixar como forma de motivação para aqueles que se sentem menos motivados para a prática do desporto?

Encontrem um desporto que gostem. Não se obriguem a ir para o ginásio, a fazer Crossfit, ou qualquer outro desporto, se não o fizerem com prazer. Pode ser uma utopia, mas eu acredito que “há sempre um testo para cada panela”, quero com isto dizer, que há um desporto que será praticado com prazer por cada pessoa. Por isso mexem-se e experimentem até descobrirem o vosso.


                        Igor Lopes (Nº20140540)

Sem comentários:

Enviar um comentário