terça-feira, 27 de outubro de 2015

"Sem música a vida é uma travessia no deserto"

Helder Micael Reis, ex-estudante de 25 anos, dedica-se à música desde muito jovem. A música para ele é uma paixão, pelo que ele escolheu o saxofone como o seu instrumento predilecto. Actualmente, Helder faz parte de uma banda onde é saxofonista.




Com que idade é que decidiste dedicar parte do teu tempo à música?
Iniciei quando tinha 8 anos de idade. Primeiro com aulas de formação musical até aos meus 11 anos de idade, então daí comecei a tocar saxofone.

Quantos instrumentos é que experimentaste antes de escolheres o saxofone?
Não foi realmente a minha primeira opção. Experimentei apenas mais um, o trompete. Tive aulas durante um ou dois meses, mas não me identifiquei com o instrumento. Entretanto, foi-me aconselhado a assistir a aulas de outros instrumentos e aí sim, escolhi saxofone e nunca mais me ocorreu mudar.

Como é que te apercebeste que o saxofone era o instrumento que pretendias praticar?
Não tenho nenhum motivo em especial. Quer dizer, inicialmente foi pelo som e pelo instrumento em si, que considero ser bastante bonito. Mas depois, nos meus primeiros tempos de aulas de iniciação ao instrumento, inscrevi-me em alguns workshops de músicos profissionais, que na altura eu nem dava grande importância, mas que eram sem dúvida grandes profissionais, e nos quais havia sempre vários concertos para demonstração de interpretação musical e técnica do instrumento. Foi talvez por essa altura que me "apaixonei" realmente pelo instrumento. Era ainda um miúdo, mas ao ver o quão versátil pode ser o instrumento, pelos mais variados tipos de música nos quais se enquadra (jazz, rock, pop, clássico, bossa-nova, reggae,...) fiquei fascinado e deu-me muita vontade de aprender e dominar o saxofone.

Em quantas bandas é que já exerceste a função de saxofonista?
Nem eu sei ao certo. Foram várias. Comecei numa banda filarmónica da minha freguesia tinha eu cerca de 13 anos. Entretanto, após alguns concursos nos quais fiquei bem classificado e alguns concertos nos quais toquei a solo, comecei a fazer concertos em várias bandas. Talvez doze, treze bandas não sei bem ao certo.

Como músico, já viajaste bastante em serviço. Quais os lugares mais interessantes que já alguma vez visitaste?
Todos os anos viajo pelo país e conheço lugares novos e muito bonitos, assim como já toquei vários concertos em Espanha. É difícil nomear o mais interessante. Sendo que tendo visitado várias romarias festivas e alguns festivais como músico, conheço bastantes costumes, gastronomia e paisagens de várias zonas. 

Para ti, a música é apenas um hobby ou pretendes dedicar-te a nível profissional?
Para mim é mais que um hobby, é um estado de espírito, é algo essencial para o meu dia a dia, adoro tudo aquilo que aprendi e que tenho aprendido com a música e a maneira que me faz sentir quando toco e ouço. Quanto a ser profissional nesta área, quem sabe talvez um dia, até agora não tive essa oportunidade, até porque estive ocupado com os estudos, mas gostaria de aprender mais e tenho vontade de o fazer assim que surgir oportunidade.

Será que ainda te vês a tocar saxofone numa banda daqui a alguns anos?
Espero tocar sempre, não sei até quando numa banda. É certo que não deixarei de tocar saxofone. Sem música a vida é uma travessia no deserto.




Miguel Reis, nº20140121

Grupo 6

Sem comentários:

Enviar um comentário