segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Arte na pele?

Tatuadores, tinta e desenho. São estes os três principais utensílios para tornar um corpo numa tela. A tatuagem é talvez a forma de transformação do corpo mais conhecida e praticada do Mundo. Mas, considerando bem sobre este assunto, existe uma questão que me prende, não tendo dúvidas em formar a minha opinião mas deixa-me a pensar como existem pessoas que podem discordar tanto, sendo para mim tão claro. Tatuar o corpo de alguém é ou não uma arte? A meu ver é uma arte sim, das mais difíceis de concluir com sucesso. Não é uma arte que se possa corrigir sempre que ocorre uma falha, não se pode apagar, se uma linha ficar torta ou o resultado não for o esperado.

As tatuagens já existem há muito tempo, o que é certo, é que nos dias de hoje tem vindo a ganhar ainda mais popularidade entre todos nós. Quer seja por uma questão de tradição, arte ou mesmo para expressar perpetuamente um determinado acontecimento, independentemente de ser bom ou mau. O importante é atribuir àquele desenho o sentido correspondente.

Contudo, nem sempre foi aceite da melhor forma, os simpatizantes das tatuagens eram julgados, a igreja Católica baniu esta prática, pois via-os como seguidores do diabo, assim a tatuagem era “coisa do diabo”. As pessoas que usavam tatuagens eram frequentemente relacionadas com um comportamento de vida duvidosa, aparte dos padrões da sociedade e fora dos bons costumes e regras sociais. Este facto contribuiu bastante para a evolução de preconceitos e discriminação desta arte, gerando uma ideia e um estereótipo de arte marginal que perdurou até há bem pouco tempo. Talvez, seja o maior motivo para ainda hoje se rejeitar as tatuagens e tudo o que está em volta das mesmas. Na minha opinião, estas atitudes preconceituosas são um tanto ou quanto ridículas, existem mentes ainda muito pequeninas que se recusam a assumir que tatuagem é uma arte. E não, não tenho o meu corpo coberto de tatuagens, apenas penso que se devia valorizar mais e desprezar menos esta arte.

Se lado a lado apresentássemos um esboço de uma tatuagem e posteriormente a tatuagem no corpo, os comentários e opiniões iriam alterar-se. Na primeira opção, iriam concordar que estão presentes um bonito desenho, que o artista que o desenhou tem talento. Mais tarde, esta opinião iria voltar à opinião inicial das tatuagens, que são feias, danificam a imagem a uma pessoa e a pessoa em questão deve ser uma marginal.

Deixo uma pergunta final, alguma vez pararam e se interrogaram se o médico que acham ser bastante eficiente ou aquele professor compreensivo, ou ainda aquele senhor do café bastante simpático terá algumas tatuagens e se isso iria mudar a vossa opinião? Talvez! O médico começava assim a ser um péssimo trabalhador, o professor já não tinha grande sucesso com os alunos e o pobre senhor do café começava a ser um delinquente. Recordam-se mesmo qual foi a última pessoa com quem falaram hoje?






Carolina Guedes - Grupo 5

Fontes:
 http://mandalamystica.com.br/index.php/tatuagens-a-historia-e-a-escolha/



Sem comentários:

Enviar um comentário