sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Perfil de Tiago Mariano Tavares

por Joana Góis, R1



Foi no dia 11 de Novembro de 1992 que o distrito de Beja viu nascer uma promissora presença no mundo do futebol.



Tiago Mariano Tavares passou toda a sua infância com o avô, conhecido em Castro Verde, onde residia, como “o Xico Mariano”. Trabalhando no Estádio Municipal 25 de Abril, que pertencia ao Clube de Futebol Castrense, levava consigo o neto, mal sabendo este que estaria a envenenar a criança com o gosto apaixonante pelo futebol, tal como descreve Tiago. Foi neste clube, por desejo do destino, ou do treinador do Castrense, que este iniciou o seu percurso futebolístico, começando a treinar com apenas cinco anos. Foi aos seis que, com o número nove, teve o seu primeiro jogo amigável contra o Rosairense, ocupando a posição de avançado. Em conversa com o jogador, questionei-o acerca das memórias que tem do seu primeiro jogo e se marcou nessa mesma partida. “Não marquei, cheguei atrasado ao jogo, com a minha mãe. Tinha ido comprar as minhas primeiras caneleiras da Joma. Estava tão nervoso que quando me disseram que não podia jogar, a brincar comigo, chorei”. Tiago confessa ainda, embebendo-nos com um sorriso meigo de orelha a orelha, que julga não ter colocado a bola atrás das linhas de baliza devido a estar a jogar contra praticantes dois ou três anos mais velhos, e ter medo de falhar. “Lembro-me de estar frente a frente com o guarda-redes e, com a minha modesta humildade, pensar «Vou chutar devagar porque se falhar à baliza todos vou guerrear comigo». E assim foi, ele defendeu… Foi o meu primeiro remate”.

Sempre com o incentivo da família, Tiago manteve-se no Castrense até ao último ano de iniciados, sendo quase sempre o melhor marcador da equipa, chegando a marcar mais de 30 golos em menos de uma dúzia de jogos. Sempre atraiçoado por lesões nos joelhos, o jogador não deixou a prática do futebol e recorda que numa partida contra o Ferreirense, marcou cinco dos dez golos que levaram a equipa à vitória e a conquistar um jantar de mérito que a direcção do clube havia prometido. Foi através desse jogo que teve a oportunidade de ir treinar ao Seixal (academia do Sport Lisboa e Benfica). Levado pelo mister Abelha, Tiago foi novamente traído pelos nervos e pelo pensamento pessimista: foi levado à desacreditação interior. A falta de confiança foi crucial e fê-lo treinar abaixo das expectativas. “Não aproveitei a única oportunidade da vida que nem todos os jogadores têm, muito menos os que jogam no Alentejo, onde o futebol é escasso, não tem recursos humanos suficientes para vingar.

No ano seguinte, em juvenis, foi para o S.R.D. Entradense, um clube perto de Castro Verde, onde se estreou também num amigável contra o Panóias. Nesse mesmo jogo chegou a marcar um golo, acreditando pela primeira vez depois da falha no Seixal, nas suas capacidades. Quando lhe subia ao coração a vontade de chegar a titular, mesmo sendo juvenil de primeiro ano, acabou por se lesionar no joelho esquerdo, tendo sido assim um dos piores inícios de época de sempre, não conseguindo acompanhar a equipa nem nos treinos, nem nos jogos. Depois deste trágico incidente, acabou por se desligar um pouco do futebol nesse ano pois, apesar da vontade e do desejo de jogar, as dores não o permitiam. Decidiu recorrer a especialistas na área da sua lesão e não ficou satisfeito com as notícias: para ficar melhor, teria de deixar de jogar por completo, o que para Tiago, era “impensável”, afirma. Contrariado ao que lhe teria sido dito, e a colocar acima das dores a vontade de regressar, voltou aos treinos. Ainda assim, só voltou a jogar na época posterior, continuando ao serviço do Entradense e sagrando-se novamente o melhor marcador.

Depois de dois anos no clube, regressou à casa onde iniciou o seu percurso. No seu primeiro ano de júnior, com medo do que se seguiria e de pé atrás relativamente à estatura dos companheiros de equipa, eis que acontece algo que contraria o que se esperava. O pequenino e franzino Tiaguinho cresceu e teve uma óptima adaptação, que lhe valeu um convite para ingressar no plantel sénior que militava na 3ª divisão nacional. Treinando com os séniors e tendo um ritmo de jogo diferente do dos seus colegas, voltou novamente a ser o melhor marcador do plantel do seu escalão. A estreia na 3ª divisão estava para breve, quando foi interrompida pelos estudos. Foi forçado a abandonar os treinos devido ao estágio profissional que se inseria no curso de Turismo que frequentava. Tiago voltou à carga com mais maturidade e com uma mentalidade diferente da que tinha. Depois de ter a oportunidade de fazer mais meia época com os séniors, foi-lhe feito o convite para jogar no Ourique Desportos Clube, que aceitou. A inexperiência da equipa nas competições a nível nacional fez com que tivessem um ano menos conseguido, acabando o campeonato com apenas 3 pontos. Ainda assim, o jogador confessa que foi uma óptima experiência dado que teve o prazer de jogar contra clubes de renome nacional tais como o Olhanense, o Portimonense, o Farense, o Atlético CP e o Louletano. Alguns desses clubes tiveram interesse em Tiago mas, devido à sua idade ser reduzida, esse interesse diminuiu.

No presente época (2011/2012), primeiro ano de sénior, o seu desempenho despertou interesse em alguns clubes da sua região e teve de optar pelo que mais lhe depositou confiança, o Rosairense. Orientado pelo que diz ter sido uma direcção fantástica e por um mister jovem (David Guerreiro) que os motivava e os compreendia, admite que a passagem pelo clube foi algo que não vai esquecer. Passagem, digamos assim, pois novamente se viu interrompida pelos estudos, desta vez universitários.

Tiago aterrou assim em Coimbra na primeira opção, no curso de Geologia. Mas os seus bonitos olhos castanhos não procuravam por namorada, nem por farra, na cidade dos estudantes. Foi novamente com o apoio da família e de um grande amigo conterrâneo, que o jogador conseguiu encontrar um clube na cidade que encontrou as suas capacidades. Foi no passado dia 30 de Outubro que se estreou então, a jogar pelo Moinhos, a contar para o campeonato, tendo marcado dois golos. Este feio, deu aso a que se publicasse no blog do Grupo Desportivo do Moinhos um post com o título “Vitória com Sabor Alentejano” (http://gdmoinhos.blogspot.com/2011/10/vitoria-com-sabor-alentejano.html).

Quanto ao futuro, e prestes a completar os seus dezanove anos, Tiago Tavares pretende acabar o curso, nunca deixando de parte a ideia de continuar a jogar. “Aproveitem o futebol, o jogo colectivo, a interacção com os colegas, o grupo de amigos que se forma para a vida… Aproveitem e disfrutem disso ao máximo, mas nunca o vejam como um futuro garantido”.

Deixado o conselho do adolescente, espero que os golos que tem pela frente, sejam tantos ou mais quantas as sardas que tem na face.


3 comentários:

  1. Epaa espetacular Tavares, muito bom!
    Não podia passar aqui sem te dar os parabéns e sem dizer que foi um privilégio ter capitaneado aquela equipa em Ourique e jogadores como tu, que apesar de todas as adversidades que enfrentamos nunca baixou a cabeça e sempre elevou a moral da equipa como só tu sabes fazer, sendo esse um grande fator e tu o grande impulsionador para que tivéssemos conseguido chegar ao fim.
    Cuidem bem dele ai por Coimbra ;)
    Muitos sucesso!
    Abração TT
    RR

    ResponderEliminar
  2. Rudi, Muito obrigado, mas depois disto só te peço:
    Não me faças Chorar :D

    ResponderEliminar
  3. Olha, lembra-te do jantar de final de ano :)

    ResponderEliminar