quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Perfil Sandra Saraiva


Não ser Estudante na Cidade dos Estudantes



Sandra Maria Gil Saraiva nasceu na Covilhã a vinte e três de Outubro de 1983. É natural da Benquerença, mas muito cedo saiu da sua terra Natal. O seu segundo e terceiro ciclos foram concluidos no colégio da Cerdeira – Escola Regional Dr. José Dinis da Fonseca – e posteriormente concluiu o seu secundário na Escola Secundária Campos Melo, na Covilhã. Como se toda esta distânca não bastasse, o seu primeiro ano de faculdade foi na Universidade da Beira Interior, onde estudou Português/Inglês, apesar de sempre ter desejado estudar Direito em Coimbra. No ano seguinte mudou a sua orientação profissional e decidiu vir estudar Direito para a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Terminou a sua licenciatura em Direito e concluiu à seis meses o seu Mestrado na mesma faculdade, na área Jurídico- Forense, na vertente de Valores Mobiliários e Direito das Sociedades. Actualmente é advogada em Coimbra e explica-nos o seu ponto de vista perante toda a actividade estudantil que se faz sentir nesta cidade.
Falamos de uma ex-estudante da Universidade de Coimbra porque Coimbra é uma cidade constituída, em grande parte, por estudantes, mas não só. Sandra Saraiva conhece as duas realidades – ser estudante e ser trabalhador numa cidade de estudantes.
Enquanto foi estudante viveu bastante o espírito académico nos primeiros dois anos. “Depois tive de começar a pensar em tirar o curso e saía moderadamente – 1 vez por semana, quando saía”, conta-nos. Adianta também “nunca praxei e trajei muitas vezes no meu primeiro e segundo anos. Vivia a festa, mas não andava pelas ruas a jogar garrafas ao ar, nem a gritar de madrugada”. Nunca foi muito de ir à latada, “ia mais à queima”. “Vi Alanis Morissette, um ano e o Quim Barreiros alguns anos depois, em sete anos de faculdade. Era demasiada gente e demasiada confusão e o cartaz justificava poucas vezes o dinheiro”. Este ano não foi à latada porque trabalha e a disponibilidade não é muita. Em Coimbra vive com dois estudantes, numa rua onde passam vários universitários para ir para as festas, perto do Estádio Cidade de Coimbra e queixa-se do barulho. “Coimbra é uma cidade de estudantes, mas não só. Não é agradável perceber que os jovens não respeitam os trabalhadores quando andam a fazer barulho nas ruas até de madrugada”. Confessa-nos que acha que a vida académica “está cada vez mais exagerada, nem parece que estamos em crise”, isto porque as festas “são todos os dias, não se percebe”, diz indignada. Pedimos-lhe que classifique esta latada e a resposta é muito breve “muito barulho. Está pior do que nunca!”. Conclui brincando com a siuação e acrescentando que provavelmente Coimbra é uma excelente cidade enquanto se é estudante, depois “passamos a validade” e não é tão fácil.

Mara Rodrigues
R1 

Sem comentários:

Enviar um comentário