sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Santarém ao sol da Lezíria Ribatejana

              Santarém, essa cidade que por excelência é a capital do Gótico e que possuí características tão específicas e intrínsecas, pertence a uma região de muita agricultura, gado e vastas planícies, o Ribatejo. O rio Tejo marca presença por entre a paisagem plana que vai delineando toda a região Ribatejana, que por entre pontes e casinhas por todo o lado, serve de porto de abrigo a pescadores e de um excelente cultivo para a agricultura, apesar das cheias se fazerem sentir por toda a região nos meses de inverno. Como espectáculo visual, o Ribatejo impõe-se pela serenidade incomparável das suas lezírias.
           
             Santarém, lá bem no alto, afirma-se grandiosa perante o resto do Ribatejo. Quem subir às Portas do Sol, no magnífico promontório, pouco depois de amanhecer, e lançar a vista para além do rio, fica extasiado com a profundidade da paisagem fronteiriça. As Portas do Sol marcam a sua afincada presença com as suas imponentes muralhas antigas, onde se travaram em tempos muito longínquos inúmeras batalhas contra os Mouros, o que permitiu a D. Afonso Henriques conquistar Santarém.


Figura 1
            Paisagem visualizada a partir das Portas do Sol. A Ponte D. Luís permite a circulação de pessoas e mercadorias entre as duas margens do Rio Tejo.







Figura 2
     Portas do Sol, onde se pode visualizar uma paisagem composta de vastas planícies Ribatejanas.

                                      Figura 3                                                        
Uma das ruas estreitas do centro da cidade de Santarém, com a típica arquitectura scalabitana.

Cavalos, touros, campinos...uma vincada cultura...
          Com especificidades muito próprias da região Ribatejana, a gastronomia, o cavalo, o touro, o forcado e o campino são os ex-líbris do Ribatejo e claro também de Santarém. Por isso é que quando se ouve falar nesta cidade vem logo a imagem do elegante cavalo lusitano, das picarias, das corridas de touros e das touradas aos domingos. Todos os anos é realizada no mês de Junho a tradicional Feira Nacional de Agricultura ou Feira do Ribatejo que expõe todas as marcas importantes da região, com várias exposições industriais, agrícolas e agro-pecuárias, diversão para os mais jovens, picarias e a popular mesa da tortura à moda Ribatejana.


Figura 4
Espectáculo equestre com campinos nas Festas de São José (padroeiro da cidade) em Santarém ao som da Orquestra Típica Scalabitana.


                                                        Figura 5
   O Espectáculo equestre  das Festas de São José continuou pela noite fora a demonstrar a cultura e espirito Ribatejano.


Figura 6
Campinos na Rua Pedro de Santarém.



 Figura 7
As famosas picarias ribatejanas na Feira Nacional de Agricultura, com os mais jovens a tentarem fazer a pega “perfeita”.





Figura 8
      Uns recuam, outros avançam e provocam o touro, mas a festa continua sempre dentro da manga da picaria.



Monumentos, reliquias e muitas histórias para contar...

         Para além das especificidades mais importantes, Santarém reúne um alargado conjunto de monumentos, que com as acessíveis vias de comunicação, fazem da cidade um destino turístico por excelência, que as unidades hoteleiras em construção irão qualificar muito mais.


 Figura 9
         Torre das cabaças, também conhecida como Torre do Relógio. O nome "das Cabaças" fixou-se popularmente devido à colocação de oito cabaças de barro numa estrutura de ferro que suporta um sino de bronze de grandes dimensões.



Figura 10
       No seminário de Santarém encontra-se a Igreja de Nossa Senhora da Conceição do Antigo Colégio dos Jesuítas (vulgo Seminário) que constitui um Monumento Nacional na Praça Sá da Bandeira.
Figura 11
 Paisagem de Santarém visualizada a partir da Torre das Cabaças.

Figura 12
    Paisagem visualizada a partir das Portas do Sol e Igreja da Graça do lado direito. 

                                                  Figura 13
   Artéria principal da cidade, onde se localizam a maioria dos serviços terciários, como é o caso do w shopping.

Cheirinho intenso a espírito académico...com temperos Ribatejanos...
   
         Santarém, para além de ser uma histórica cidade, com muitas ruelas estreitas e uma enorme quantidade de serviços terciários, possui um espírito académico muito vincado, com o traje académico típico da região e os convívios nocturnos nos bares scalabitanos e nos restaurantes típicos da cidade, como é o caso da Taberna “O Quinzena”.


 
Figura 14
Traje académico scalabitano. Alunas da Escola Superior de Educação de Santarém.



Figura 15
  Estudantes do Politécnico de Santarém nas escadas da Igreja de Nossa Senhora da Conceição (antigo seminário).

Figura 16
    Desfile de caloiros do Politécnico de Santarém que ocorre todos os anos no mês de Novembro. Alunos da Escola Superior de Educação de Santarém.

                                                                   Figura 17
         Semana de Recepção ao caloiro da Escola Superior de Educação de Santarém. Madrinhas e respectivas afilhadas académicas.






Figura 18
Convívio nocturno de estudantes na discoteca FRA em Santarém.


Figura 19
Jantar de estudantes na típica taberna Ribatejana “O Quinzena”.

       E assim se marca a história de uma região, de um povo, de uma tradição, de uma juventude que agarra em mãos a cidade onde vive ou estuda. Assim se desenham tantas histórias, tão diferentes de tantas outras. Assim se fazem lendas da região e, principalmente, memórias de como é, foi e será sempre o povo Ribatejano.  

Por Ana Pombo, Redacção 2

1 comentário:

  1. .. e que tal referenciar as fontes das fotos publicadas?!?!?!?!

    ResponderEliminar