sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Google vs. Apple?


A dona do mais famoso motor de busca lança loja de música na internet, o que significa uma batalha entre esta, o iTunes, da Apple, e a Amazon.
por Paulo Bastos,
Redacção 1

Chegou, no mês passado, a nova plataforma de venda, armazenamento e gestão de música da Google, a Google Music. Esta loja online de música, apenas disponível, por enquanto, nos EUA, foi apresentada em Los Angeles, no dia 16 de Novembro, e contou com uma transmissão online no YouTube.
Isto significa para a Apple, que possui a sua loja online de música – iTunes – desde 2003, uma feroz concorrência, já que o serviço da Google Music está disponível na plataforma Android Market – segundo um estudo da Gartner, metade dos smarthphones vendidos entre Julho e Setembro deste ano vêm equipados com o sistema Android, o que traduz cerca de 60 milhões de aparelhos com este sistema – e o iTunes representa apenas 15% da quota do mercado.
A Google já conseguiu parceria com alguma editoras, como a Sony Entertainment, EMI, Universal e Vivendi, e disponibiliza, segundo a BBC, mais de 10 milhões de músicas. As bandas Coldplay e Rolling Stones mencionaram a possível disponibilização de faixas únicas na Google Music.
A agência Bloomberg avançou que cada música poderá custar entre 99 cêntimos de dólar e 1,29 dólares, valores próximos dos que são praticados pelo iTunes.
A Google continua, assim, a expandir os seus negócios através de várias áreas e a disponibilizar conteúdos que estimulam a compra de dispositivos móveis com o sistema Android. A loja de música da Google oferece também vantagens aos utilizadores da rede social Google +, pois permite a partilha da música do utilizador com os seus “círculos”, que a podem ouvir sem pagar qualquer custo adicional, o que pode constituir uma preocupação ao Facebook.
No entanto, algumas editoras permanecem hesitantes em fazer acordo com a Google, caso da Warner que, segundo o jornal The Wall Street Journal, considera que a Google e o YouTube têm falhado no combate à pirataria do sector musical.

Fontes:
http://economico.sapo.pt/
http://p3.publico.pt/
http://www.espalhafactos.com/

Sem comentários:

Enviar um comentário