segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Pelo fim da desorganização

A Latada de Coimbra marcou o fim da época de recepção aos caloiros na Universidade. Os novos alunos desfilaram pelas ruas com fatos criados pelos padrinhos e, claro, muitas latas, para mostrar ao mundo que já estão integrados na comunidade académica. No entanto, alguns destes alunos chegaram há poucos dias e perderam a maior parte das actividades. São estes os alunos da segunda e terceira fase.

Todos os anos acontece a mesma coisa: quando sobram vagas nas Universidades, abre-se uma nova fase de candidaturas para preenchê-las. Mas isto já ocorre em tempo de aulas. Ora, os alunos desta fase perdem as primeiras semanas do ano lectivo, ficando logo prejudicados em relação aos colegas. Além disso, causa problemas na ordem dos trabalhos nas aulas. Isto para não falar nas medidas de última hora que os alunos mais velhos têm de tomar para integrar afilhados imprevistos. A intenção por trás deste sistema é muito boa: dar uma segunda oportunidade a quem a primeira fase não correu bem e garantir o máximo de vagas preenchidas. Mas de boas intenções está o inferno cheio…

Existe uma forma muito simples de acabar com tamanha confusão: organizar as matrículas todas antes do início das aulas. E sim, é possível. Entre a primeira fase de candidaturas ao ensino superior e o período de matrículas há um buraco de um mês em que não se faz nada. Se os funcionários das instituições, em vez de irem todos de férias em Agosto, calendarizassem as pausas no trabalho de forma a haver sempre pessoal suficiente para ficarem abertos, haveria muito mais tempo para organizar as matrículas. Este método é utilizado noutros países e é muito eficaz.

Portanto, já que o Governo está a reorganizar tantas coisas, porque não reorganizar também esta? Com óbvios benefícios para o ensino superior (e instituições em geral), seria talvez a medida que causasse menos greves este mandato. E todos os alunos poderiam desfrutar da vida académica desde o início.


Por: Amy Gois



O artigo não está escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Sem comentários:

Enviar um comentário