terça-feira, 9 de outubro de 2012

Portugal à boleia


O último feriado de comemoração da Implantação da República a que os portugueses tiveram direito foi marcado pelas greves dos transportes públicos. De Norte a Sul de Portugal, foram muitos os que protestaram contra a revisão do Código do Trabalho, que implicou uma redução de 50% no valor pago por feriado.

Esta greve, que decorreu durante toda a semana, contou com a adesão da STCP, CP e CP Carga, Portway, REFER, Rodoviária de Lisboa e sector portuário e marítimo, atingindo também o sindicato de hotelaria e turismo do Norte, Centro, Sul e Madeira. Toda esta paralisação teve repercussões no comércio e em empresas cujos trabalhadores foram impedidos de comparecer.

No caso específico de Coimbra, foram muitos os estudantes universitários afectados. Sendo sexta-feira feriado, muitos planearam passar o fim-de-semana prolongado junto das suas famílias. "Não passei quase tempo nenhum em casa, não houve comboio e só consegui arranjar boleia Sábado, sendo que Domingo estava de volta a Coimbra", lamenta Daniela Gonçalves, de Vagos (Aveiro). Já para Joana Amado, residente da Mealhada, este é um problema frequente, visto que o comboio é o único meio de transporte a que pode recorrer para ir para as aulas. Houve, ainda, casos de vários estudantes, como Vânia Santos, de Tomar, cujos pais tiveram de se deslocar de propósito à cidade académica para que pudessem ir passar o fim-de-semana a casa - "A minha mãe teve de fazer uma viagem de cerca de 70km depois de um dia de trabalho.".

Prevê-se um prolongamento destas reivindicações durante o mês de Outubro, tendo mesmo a CP precavido os viajantes, através da sua página online, de que as perturbações na circulação continuarão até ao dia 31.
 
por: Maria Melo e Mónica Silva

4 comentários:

  1. Parabéns pelo artigo infra!
    Expõe, num discurso simples, claro, coerente e criativo, através do recurso a "casos reais", um dos problemas que mais afecta a população portuguesa, cujas consequências vão recair no dia a dia dos que mais necessitam.

    Felicidades e um bem haja a quem teve a iniciativa deste projecto, o qual devem divulgar!

    ResponderEliminar
  2. Estou farto destas greves sem resultados, porque nao se limitam a fazer como os Japoneses basta um simboo de desonra.... ha ja me esquecia os nossos politicos ja nao tem honra...o que torna tudo mais dificil.
    Enfim apenas um desabafo.~
    Parabens pelo artigo

    ResponderEliminar
  3. é pena que os atingidos sejam sempre quem nao tem culpa nem merece!
    Parabéns!
    Está muito bem escrito
    Sílvia Caiano

    ResponderEliminar
  4. Este tipo de atitudes é uma afronta para quem quer trabalhar e não consegue arranjar emprego. O país está como está e passam a vida nestas andanças...que lindos!!!Sempre mais do mesmo e sempre os suspeitos do costume.
    Tenham vergonha e aprendam a respeitar...pelo menos quem já pagou os passes por inteiro.

    José Carlos Macedo

    ResponderEliminar