quinta-feira, 8 de novembro de 2012

«Bola de Ouro»: a lista dos campeões ausentes





Na semana passada foi anunciada a lista dos 23 candidatos à «Bola de Ouro», distinção que Lionel Messi tem arrecadado nos últimos três anos. Confesso que, apesar de não jogar em nenhuma equipa de renome, ainda mantive a esperança de ver o meu nome inscrito na lista. Para uma pessoa minimamente atenta ao que se vai passando nos diferentes campeonatos, pior fiquei quando reparei que existem jogadores que, este ano, estão bem longe de merecerem vigorar entre os melhores do mundo e outros que parecem ter caído no esquecimento das pessoas.

Numa primeira linha de análise, julgo que existem duas nomeações que não são justas: as de Drogba e Balotelli. O costa-marfinense, apesar de ter sido o principal motor do Chelsea na Liga dos Campeões da época transacta, não conseguiu mostrar a sua potência nas restantes competições e iniciou a maior parte dos jogos no banco da equipa londrina, factor que pesou na sua decisão de se mudar para o campeonato chinês. Igualmente estranha é a presença do nome de Balotelli entre os candidatos ao troféu - o jogador do Manchester City foi um dos maiores destaques da época passada pelas razões mais absurdas. Desde comportamentos infantis durante os treinos e jogos - já para não falar dos incidentes em que se viu envolvido - a elemento decisivo em partidas importantes, o internacional italiano tornou-se uma figura mediática, não tanto pela sua qualidade futebolística (que não está a ser posta em causa), mas pelos comportamentos irreverentes próprios da sua difícil personalidade. Acima de tudo, penso que o “Melhor Jogador do Mundo” deve ser um exemplo a seguir e, nesse sentido, a FIFA errou ao nomear Balotelli.

O que me apoquenta ainda mais é o facto de haver jogadores que, pelo desempenho da sua selecção no Campeonato Europeu, vêem o seu nome inscrito na lista sem terem feito uma temporada que merecesse tal distinção, como são os casos de Piqué ou Busquets.

Se há algo que me deixa boquiaberto é a ausência do nome de Pepe entre os melhores. Além do campeonato espanhol conquistado ao serviço do Real Madrid e das excelentes exibições no Campeonato Europeu, que lhe valeram uma presença na “Equipa ideal do Euro 2012”, o central português tem demonstrado ser um dos melhores defesas da actualidade (se não o melhor!). A meu ver, outro jogador que se encontra numa situação semelhante à de Pepe é Chiellini. O defesa central da Juventus tem-se assumido como o patrão do sector mais recuado da Vecchia Signora e foi uma das figuras em destaque na última edição da Serie A (competição vencida pela sua equipa sem qualquer derrota registada) e no Euro 2012, onde logrou chegar à final (lesionou-se no derradeiro jogo).

A FIFA gosta mesmo de me surpreender! É normal que nunca haja consenso neste tipo de decisões, mas é de levar as mãos à cabeça quando há jogadores que merecem ser nomeados e, absurdamente, não o são. É certo que o que mais irá interessar a grande parte das pessoas será o anúncio dos três finalistas, no entanto, é necessário que haja justiça quanto ao reconhecimento do esforço e do trabalho desempenhado ao longo de um ano. E enquanto me vou lamentando por não vigorar na lista, à semelhança de outros atletas, lá vão Messi e Cristiano Ronaldo disputando mais um galardão. Iniesta também parece ter uma palavra a dizer, mas o craque argentino surge na linha da frente para cortar a meta em primeiro lugar… pela quarta vez consecutiva! 

por: Diogo Carvalho

*Este artigo não foi redigido ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Sem comentários:

Enviar um comentário