quinta-feira, 6 de novembro de 2014

O Processo Eleitoral de Moçambique em Coimbra


Este presente texto tem como objetivo retratar as atividades do Processo Eleitoral que teve início com uma formação dos Membros da Mesa de Voto.

O Secretariado técnico da Administração Eleitoral, recrutou candidatos que se mostraram interessados em ser membros das mesas na diáspora (Portugal).
Em Coimbra, candidataram-se seis elementos um dos quais pelo Partido Frelimo. Entretanto dos seis concorrentes, após a formação e avaliação, somente foram admitidos 5 candidatos. A Mesa de Assembleia de Voto em Coimbra, estava composta por um Presidente, Vice-presidente, Secretária, 1º Escrutinador, e o 4º Escrutinador (o 2º e o 3º escrutinador seriam do partido MDM e a RENAMO, mas como não houve candidato desses dois partidos, não se fizeram presente na mesa de voto) nomeadamente a Dulce Valério, Lucinda Julião, Cátia Sumalgy, Jair Chiulele e Mirélio Marques.
No dia 14/10/2014 houve um encontro entre os Membros da Mesa de Voto e o supervisor, Hélio Nhamtumbo, e o ponto focal do STAE (Dália David) para se fazer a organização do espaço, onde se ia realizar as Eleições, e também para receber o material da votação.




No dia 15/10/2014 os Membros de Mesa de Voto encontrava-se no local onde decorreu o processo de votação para organizar a sala, e para fazer a verificação dos Kits de material de Votação.
O processo de votação  decorreu dentro da normalidade até o encerramento da mesma. Registou-se pouca afluência no período da manhã, porém foi melhorando ao longo da tarde.
Na Mesa de Assembleia de Voto de Coimbra (Salão Nobre da Câmara Municipal), no caderno Eleitoral estava inscrito 108 Eleitores. Votaram 63 Eleitores entre esses dois votos foram Especiais (da secretária e do supervisor) que estavam registados numa das Mesas de voto de Lisboa no ato de recenseamento Eleitoral. Houve 47 eleitores que não votaram dos quais 15 ausentaram-se porque regressaram ao país e migraram.
No apuramento parcial para o Presidente da República, Afonso Macacho Marceta Dhlakama obteve 6 votos, Filipe Jacinto Nyusi 49 votos e Daviz Mbepo Simango 7 votos, 1 voto em branco, e zero nulos.

No apuramento parcial da Assembleia da República, A Resistência Nacional de Moçambique (RENAMO) obteve 5 votos, A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) 49, Movimento Democrático de Moçambique (MDM) 7, Partido Ecologista de Movimento da Terra (PEC-MT) 1, União Eleitoral (EU) Zero, Partido União para a Mudança (UM) Zero, 1 BRANCO e Zero votos Nulo.

Lucinda Julião

Sem comentários:

Enviar um comentário