segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Hogwarts?



Portugal tem uma cultura muito rica e interessante mas também algumas excentricidades que, como estrangeira, tenho dificuldade em compreender. Com o tempo acabei por descobrir a razão de ser de certos hábitos estranhos dos portugueses (como o lavar do chão com a mangueira quando está a chover). No entanto, existe uma tradição que realmente me mistifica: a praxe.

Ao chegar a Coimbra pela primeira vez, encontrei-me a questionar (como decerto muitos outros estrangeiros) se não teria apanhado o comboio errado. Havia uma quantidade muito suspeita de pessoas vestidas como personagens de Harry Potter na cidade. De facto, os “doutores”, quando vestem o traje académico, parece que acreditam que têm poderes mágicos de controlo sobre os caloiros (ou, se quiserem, “muggles”). Mas, para a minha desilusão, não têm varinhas nem poções mágicas para lançar feitiços. Usam apenas o poder da psicologia e da pressão de grupo.

Se observarmos mais de perto, porém, a Coimbra académica já parece mais o País das Maravilhas: pessoas a passear de pijama na rua, a “andar de quatro”, a rebolar no chão, a levar com farinha, ovos e chuva torrencial… Isto só pode ser um daqueles sonhos esquisitos, não? Mas essa nem sequer é a parte mais estranha. O que leva isto tudo a um nível completamente surreal, para quem vem de fora, é o facto de que quase todos gostam da experiência (e até imploram por mais). Basta perguntar a qualquer aluno universitário como foi a praxe no seu ano. A resposta típica é histórias arrepiantes de joelhos despedaçados, humilhações públicas e gripe, terminada com “mas foi o máximo!” (!?) Ora, ou algo fundamental me está a escapar, ou estamos perante uma séria pandemia de sadomasoquismo…

Pensando que o problema talvez fosse meu, decidi experimentar um dia de praxe. Resultado: passei grande parte de uma manhã sentada com vários colegas desconhecidos a ouvir outros alunos mais velhos a gritar-nos obscenidades. E não podíamos conversar, portanto o grande objectivo de fazer amigos falhou redondamente. O resto do tempo, usei-o a tentar passar despercebida enquanto não cantava músicas sujas com o resto da multidão (não estava com vontade de debater os meus princípios com os chefes da praxe). Depois, quando me perguntaram se tinha gostado e respondi que não, não entenderam porquê. E, para que conste, sou anti praxe, tenho muitos amigos e, se quiser, ninguém me pode impedir de usar o traje académico.

Concluindo, alguém me pode explicar o conceito de “diversão”, por favor? É que a minha definição deve ser muito diferente. Para mim, a praxe é degradante e assemelha-se demasiado ao “bullying” para o meu gosto. Mas vá, perdoem-me, não sou de cá. Estrangeiros, vá se lá entendê-los!

por: Amy Gois

Sem comentários:

Enviar um comentário